18
Sep

No meio do caminho tinha uma ladeira

Tinha uma ladeira no meio do caminho.

06
Aug

Andar pelas ruas de São Francisco é….

….viver deslumbrada, tremer de frio a cada esquina (mesmo no verão), fingir que é saudável e principalmente: passar raiva ao saber que a malhação (do mês) sai a preço de refeição.

10
May

Red Bull Ride + Style \0/ #redbull #redstyle #sanfrancisco #sfo Olha aí, @mrceloneves. (em Embarcadero Center)

Red Bull Ride + Style \0/ #redbull #redstyle #sanfrancisco #sfo Olha aí, @mrceloneves. (em Embarcadero Center)

View in High-Res

04
May

Vou virar a Magali aqui. #SFO #nobhill (em Trader Joe’s)

Vou virar a Magali aqui. #SFO #nobhill (em Trader Joe’s)

View in High-Res
sfo / nobhill /

24
Dec

Recordar é viver. Ops, entrei na moda do #memostatigram

27
Nov

Quase ali na @ruadaslaranjeiras. #nostalgia no ar

Quase ali na @ruadaslaranjeiras. #nostalgia no ar

View in High-Res

16
Nov

Cheiro de infância. #laranjeiras (em Rua Alice)

08
Nov

6 weeks later… #greenhouse #pinheiristas

6 weeks later… #greenhouse #pinheiristas

View in High-Res

03
Oct

A geração-champa (num domingo nada santo)

Todos em volta da garrafa. Homens, mulheres, casais, universi(o)tários, coxinhas e piriguetes. Cada um com sua taça na mão. A champagne, ou champa, para os íntimos, reina quase absoluta, não fosse a vodka com energético e o bom e velho chope, que ainda guarda poucos adeptos ali. A dúvida vem de um desavisado.

- Mas hoje não é domingo?

Não importa. Eles querem circular; aproveitar os minutos que faltam para terminar a semana e… emendar. E elas? Bom, elas querem quase o mesmo: sair, desfilar a pseudo-pompa, dançar.

Era quase noite, não tinha clima. Logo na porta, a hostess, daquelas que nos recepcionam em restaurantes, era uma das raras figuras a não aparecer de micro-saia ou calça de yoga com textura de couro.

- Está em lista de aniversariante? Qual é o nome?

Sim, eu estava. Só que não adiantou – o desconto era válido só até às 18h. Por que raios perguntar então se estou na lista? Devia fazer parte do processo seletivo, concluo. Entro, emburrado, e continuo a observar.

Nunca achei que coxinha combinasse com champagne. Mas aqui nesse mundo, a dupla parece já manjada. Vestidos com o uniforme da estação (que não esta), eles saem de camisa Pólo manga curta, capricham no gel e não comem pastel. Já eu não me seguro. O azedinho do espumante branco - ele mesmo, o Clicquot - pedia uma….. Não pedia nada! Passa logo minha cerveja, pensei. Tomei uma, duas, três Heinekens. Aí resolvi mudar: fui para o chope Itaipava. Resultado: ainda um estranho.

Num outro canto, a turma do esquenta. Eles estavam em seis, sete. E a cada hora, chegava um novo integrante. Só homens, na faixa de seus 30 e alguma coisa. As vestes eram de balada; o perfume também não disfarçava.

- E o verão europeu?

Era o que se ouvia. Eles iam dali para o ‘abate’. “Mas só tem mulher gata na balada, por que já não se agilizar por aqui?”, diria um amigo meu. Não adianta, eles querem mais. Afinal, aquilo não era uma balada. Também não era um bar. Muito menos um restaurante. Um antro de… deixa para lá.

Sigo para a pista. O silicone é denso. A poluição, sonora. Daquelas que não se misturam. 50 decibéis e 300 ml de cada lado.

- Que 12 graus que nada!

Eram 23h e o DJ abria um novo set, cheio de regravações dos anos 90 em versões House Music, o novo “puts-puts”, ritmo venerado por aquela gente. Na mesa ao lado, a aniversariante queria mais. Resolveu então dançar em cima da cadeira, para ser melhor vista. Sempre com um detalhe – a taça na mão.

Aprendi com a minha avó, carola que só ela, que domingo seria o dia oficial do descanso. É o terceiro mandamento, entre os dez escritos em tábuas de pedra e entregues por Deus ao profeta Moisés: “Guardar domingos e festas de guarda”. Nunca gostei de seguir, mas confesso que me batia aquela consciência pesada quando resolvia transgredir. Quando criança, no tradicional almoço de domingo, meu tio também nunca deixava a gente esquecer: “amanhã é dia de branco, gente”.

O fato é que o domingo virou o novo sábado para essa turma da “geração-champa”. Mais um dia para brindar (pelo que mesmo?), mais um dia para cruzar com os coxinhas nas festas. E antes que eu me sentisse ainda mais deslocado, lembrei que tenho uma coisa em comum com eles: também não gosto de começar a semana em branco, como propunha meu tio. Mas hoje já sei. Sem culpa, cristãos. 

03
Oct

Esqueça tudo o que vc já aprendeu sobre excesso. Esse desenho não é meu. Roubei da ala/laboratório no Tate Liverpool, numa manhã ensolarada de outubro. E lá se vai um ano. De excessos e sabedoria. 

Esqueça tudo o que vc já aprendeu sobre excesso. Esse desenho não é meu. Roubei da ala/laboratório no Tate Liverpool, numa manhã ensolarada de outubro. E lá se vai um ano. De excessos e sabedoria. 

View in High-Res